crônica: era uma vez

Publicado: agosto 19, 2007 em crônica

Era uma vez um homem capitalista. Um homem capitalista num mundo nada socialista. Nem socializável. Era uma vez um porco capitalista. Com as mesmas características que o homem capitalista. Era uma vez uma criança que gostava de pensar. De filosofar. Era uma vez um mestre. Um mestre que ensinava a criança a pensar e a questionar. Era uma vez aulas produtivas. Aulas que faziam a criança questionar. Numa dessas aulas, o mestre solicitou para a criança que ela pensasse qual era a semelhança entre um homem e um porco. Depois de pensar bem, a criança concluiu que ambos não tem a plena consciência que são porcos. O mestre achou interessante, apesar de pessimista, a resposta daquela criança inocente. Não satisfeito perguntou qual era a diferença entre eles. A criança utilizou apenas diferenças físicas. O mestre admirou a perspicácia daquela criança. Mas não conseguiu esconder um pouco de frustração por esperar uma resposta a altura da anterior. A criança também notou isso e para ela mesma, não obteve uma resposta satisfatória.

Essa criança foi crescendo e foi se esquecendo de pensar. Foi se acostumando a viver como um acéfalo. Sem a principal característica do homem. A criança, agora não tão criança assim, estudou. Estudou, se formou, trabalhou, cresceu, namorou, enganou, mentiu, chorou, sorriu, conquistou, se exibiu. Como todas as pessoas normais fazem.

No meio da estória dessa criança, que agora cresceu, trabalhos surgiram. E o jovem, que não era mais uma criança, queria mostrar seu trabalho. Afinal, ele estudou, se formou, cresceu e agora quer ganhar dinheiro. Como todas as pessoas normais fazem. Um amigo desse jovem viu que ele queria trabalhar e ganhar dinheiro e o indicou para uma instituição para vender seu peixe. Seu produto, seu projeto.

O jovem, feliz da vida por ser indicado por alguém, foi a tal da instituição para ganhar dinheiro. Conversou com o manda-chuva que disse que podia começar a trabalhar. Mas que as questões financeiras resolvessem com o Diretor Financeiro.

Conversando com o Diretor Financeiro, o jovem fez um orçamento bastante justo. Levou em consideração que ainda não era profissional. Fez um precinho de estudante mesmo. O jovem pediu 20 moedas esterlinas, enquanto que no mercado cobrariam 50 moedas esterlinas. Mas para não perder essa oferta e para começar a construir seu perfil profissional, fez esse precinho. Porque é apenas um estudante querendo ajudar nas despesas de casa. 20 moedas esterlinas não é tão ruim assim. Tem gente que trabalha durante um mês para ganhar 3 moedas esterlinas.

Mas o Diretor Financeiro fez cara feia, chorou, esperneou. Aliás, fingiu. Usou toda sua experiência de negociante para escolher a melhor oferta para instituição – não, não. De jeito nenhum ele superfaturou as notas fiscais e os orçamentos para tirar seus honorários extras. Além de superfaturar, fez o jovenzinho, que parecia uma criança, receber apenas 12 moedas pelo seu trabalho que valia 50 moedas. O jovem ficou triste mas aceitou a proposta do Sr. Diretor Financeiro.
Saiu da sala de negociações pensando no seu mestre. Lembrou da aula do porco. E notou que a poucos segundos não sabia o quê estava diante dele. Pensou naquela resposta que deu para seu mestre. Mas os anos se passaram, e seu cérebro era cada vez menor. Sua idéias, não eram boas idéias. A única conclusão que chegou sobre a diferença entre homens e porcos é que estes se tratam como semelhantes. Ora um porco trata outro porco como um porco. Mas o homem trata outro homem como um porco.

Anúncios
comentários
  1. Renatão disse:

    Reconhecer ao outro como semelhate é complicado para o homem, concordo com isso. Pior que muitas coisas desgastantes têm sua gênese nessa idiossincrasia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s